chat with

Fernanda Keller

For many people Fernanda Keller is the legendary Brazilian triathlete who raced Ironman Hawaii 24 times, finished in the top three six times, won Ironman Brazil 5 times, and competed in hundreds more ironmans and triathlons around the world. For others Fernanda Keller is the athlete we see on the media. She is always swimming, cycling and running with colorful feminine clothes, wearing earrings, rings and other accessories, which is rare to see when you watch women competing in triathlon. For me she was all that, but after spending a few days with her on the Big Island, I found out that Fernanda is also much more than a super triathlete that races in cute outfits. Fernanda is kind, funny, and she cherishes the same things that I do: family, friends, health, and love! 

After one of our adventures on the Big Island, we finished the day on a beautiful beach. And it was there that I had the chance to have this chat with her…

I can go into a church to pray, to meditate, but I can pray running in a peaceful place or on a beautiful beach like this one that we are at today. For me these places are sacred!

mariane-uehara-fernanda-keller-2

If you could describe your 24 Ironman Hawaii’s in one word, what it would be?

Fernanda Keller: My life! Because I dedicated my life to the sport.

The competition is a consequence, a time for you to overcome and to celebrate. I’m competitive but first of all I love living the triathlon lifestyle.

You have participated in hundreds of triathlons. Do you still feel butterflies in your stomach before the race?

Fernanda: Yes! It’s part of being alive and wanting to compete! When you are racing you are testing yourself and giving everything you have. You build up all this adrenaline which makes us competitive, it helps create this drive to improve and to win. And no matter how many races I have won, every race is unique, and everyday is a new exciting experience.

And the finish line is always special too?

Fernanda: The finish line is always special! Because there are so many things stronger than you that can happen until you cross the finish line. You have to deal with your weaknesses, and with your physical and emotional limitations. So no matter how long the race is, it’s always a new challenge, that’s why is it so special to cross the finish line!

Triathlon is my lifestyle, it is what I like to do regardless if I am going to compete or not. I wake up and I want to train, that’s what I love most. Sometimes people ask me, “Oh, but it’s not too boring to train for so many years?”. For me training is the coolest part, I love to be an athlete, I have an athlete’s soul. It is not only a sport that I do to compete, it is a sport that I do because I love the lifestyle. The competition is a consequence, a time for you to overcome and to celebrate. I’m competitive but first of all I love living the triathlon lifestyle.

mariane-uehara-fernanda-keller-5

Nature and triathlon go hand in hand, right?

Fernanda: Ah! My biggest motivation to train is always to be in contact with the ocean, the wind, the forest, flowers, and all of nature’s smells. There is nothing that motivates me more than being in nature, because this is life, this is God. I can go into a church to pray, to meditate, but I can pray running in a peaceful place or on a beautiful beach like this one that we are at today. For me these places are sacred!

Technology is great for us to use so that we can have a sense of time, pace, speed, distance, etc., but the awareness of our natural limitations are much more important than the one that the technology shows us.

What is your opinion on the use of technology in triathlon?

Fernanda: I am in favor and I use the technology, but I think people need to connect first with their own feelings and their own bodies. It’s important to use the computer in your favor, but not be a slave to the machine. Some people are controlled by technology and they forget to listen to their own feelings.
In the past, great coaches taught their athletes how to connect with their body and understand and feel the distance, speed, and effort so that they can learn the connection between their mind and body. Technology is great for us to use so that we can have a sense of time, pace, speed, distance, etc., but the awareness of our natural limitations are much more important than the one that the technology shows us.
On the other hand, when I started triathlon we didn’t have aerodynamic bikes, amazing light fabrics, comfortable shoes with wonderful cushioning, helmets with optimal protection, and recovery drinks. All this technology I think is great! But me mindful of your body and what it is telling you.

mariane-uehara-fernanda-keller-6

…many women are heroines who came before me, they opened the door and showed us the path. I admire these warriors, these great women, who were athletes from a generation in which it was not easy nor was it pretty to be an athlete.

Who are your heroes?

Fernanda: My mom and dad are my heroes. Now, in sport, my heroes are the Brazilian athletes in general. Because to be an athlete in Brazil and to be champion, you have to fight really hard! In Brazil, you only get support when you’re already winning. See the stories of the Brazilian champion athletes, Joaquim Cruz, Guga …
Guga’s mother struggled so much to support her son, it wasn’t until he was already winning that he started to get support.
The Brazilian women athletes had to fight even harder! Aida dos Santos, the amazing runner, ran in a time in which her father beat her and did not let her run. Maria Lenk, was swimming alone in the ocean until she was ninety. She was a pioneer, she went to the Olympics by boat, it is a beautiful story, have you heard it? So many women are heroines who came before me, they opened the door and showed us the path. I admire these warriors, these great women, who were athletes from a generation in which it was not easy nor was it pretty to be an athlete.

If you could change one thing in Brazil, what would it be?

Health and education for all the young people,

Fernanda: Health and education for all the young people, especially the higher levels of education and incorporating sports a as a part of schools and universities’ curricula. I wish that the best schools were public schools, unpaid, so that everyone could attend the same school, regardless of social, financial class, and everyone had the same opportunities available. I think that would completely change our country. I think our country is a country of very good people, very cheerful, very positive, but very uninformed, with very little access to things and few opportunities. People think that a community is formed by smugglers and bandits, but the community is made up of very good people who are begging for an opportunity. When they get a chance, they hold on as tight as they can, and many of the greatest talents of Brazil, in music, in art, in all sectors came from these social classes had to work their way to the top.

mariane-uehara-fernanda-keller

You can not help a person who is unwilling to be helped and it’s very important that you should not help in your way, you have to understand people’s needs first and do what will help them, not you.

Triathlon is a sport for the upper class in Brazil, but Fernanda Keller Institute is creating opportunities for young people from low income and few opportunities. What are the challenges?

Fernanda: I know that my sport is limited, it is not like soccer. My mother is my great supporter, she takes care of the Institute when I’m not there, she is always ahead of everything. And she tells me “Fernanda, why did you create this institute, institutes to help people in need are something that the soccer players do because they have millions to do it!. ” For me, this social action is different from charity. Social action is a partnership you create with people and they have to believe and fight for their ideal, that’s the only way I can help them. You can not help a person who is unwilling to be helped and it’s very important that you should not help in your way, you have to understand people’s needs first and do what will help them, not you. When I have the opportunity to share, my life takes on a greater meaning. Every child I see graduating from our institute , I think “Wow! My tree is generating fruits and these fruits are already producing other seeds.”

What is you next big dream?

Fernanda: I am very superstitious. I do not tell my specific dreams, but I have tons (laughs). But I never share them. I believe that dreams are a little bit of our mana (spirit in Hawaiian), and you need to keep them inside of you. So I just ask God for health and protection so I can keep making my dreams come true.

mariane-uehara-fernanda-keller-3

Fernanda thank you! I am looking forward for our next adventure!

some dreams are worth sharing…

Mariane

more about Fernanda: fernandakeller.com
Fernanda Keller Institute: institutofernandakeller.com.br

 

VERSÃO EM PORTUGUÊS

Para muitos a Fernanda é a legendária triatleta brasileira que competiu o Ironman do Havaí 24 vezes, terminado no top 3 seis vezes, ganhou o Ironman Brasil 5 vezes, e mais outras centenas de ironman e de triathlon pelo mundo. Para outros a Fernada Keller, é a atleta que a gente vê na TV, na revista, nos sites, que esta sempre nadando, pedalando e correndo com roupas coloridas, femininas, brincos, anéis e outros acessórios que são raros de ver as triatletas usando. Para mim ela era tudo isso, mas depois de passar alguns dias me aventurando pela Big Island ao lado dela, descobri que a Fernanda também é muito mais do que uma super triatleta apaixonada pelo triathlon. A Fernanda é carinhosa, engraçada, e é uma pessoa que acredita nas mesmas coisas que eu: família, amigos, saúde, e amor!

Após uma das nossas aventuras na Big Island, terminamos o dia em um maravilhosa praia. Foi lá que eu tive esse papo com a Fernanda…

Se você pudesse descrever os 24 Ironmans em uma palavra, como seria?

Fernanda Keller: Minha vida! Porque eu dediquei a minha vida ao esporte.

Você já participou de centenas de triathlons! Você ainda sente um friozinho na barriga na largada da prova?

Fernanda: Sim, faz parte de você estar vivo e de querer competir! Quando você vai para uma prova você está se testando, querendo dar o melhor de si, e aí tem aquela adrenalina, que faz a gente ser competitivo, querer melhorar, querer vencer. E é claro que por mais que eu tenha ganho muitas provas (link resultados), cada dia é um dia, e cada dia é uma adrenalina nova.

A competição é uma consequência, um momento de você se superar e celebrar.  Eu sou competitiva mas antes de tudo eu amo viver o triathlon.

E a linha de chegada é sempre especial?

Fernanda: A linha de chegada é sempre especial! Porque pode acontecer muita coisa mais forte do que você durante a prova. Você tem que lidar com a suas fraquezas, com seus momentos de euforia, com as oscilações físicas e emocionais. Então tudo isso dificulta a chegada, por isso que ela é tão especial!

O triathlon é o meu estilo de vida é o que eu mais gosto de fazer independente se eu vá competir ou não eu acordo e quero treinar, é o que eu mais amo. As vezes as pessoas perguntam “ah, mas não é muito chato treinar tantos anos?”. Para mim treinar é a parte mais legal, eu gosto da vida de atleta, sou uma atleta de alma, não é somente um esporte que eu faço prá competir. A competição é uma consequência, um momento de você se superar e celebrar.  Eu sou competitiva mas antes de tudo eu amo viver o triathlon.

Eu posso ir numa igreja rezar, meditar, mas eu posso rezar correndo num lugar deserto e numa praia linda como a gente está hoje. Para mim esses lugares são sagrados!

Natureza e triathlon andam de mãos dadas, concorda?

Fernanda: Ah! A minha maior motivação para treinar sempre foi estar em contato com o mar, estar em contato com o vento, com o ar livre, com a floresta, com flores, com cheiros. Não existe nada que me motive mais, porque isto é vida, isto é Deus. Eu posso ir numa igreja rezar, meditar, mas eu posso rezar correndo num lugar deserto e numa praia linda como a gente está hoje. Para mim esses lugares são sagrados!

A tecnologia é legal para a gente ter uma noção, mas a conexão com a nossa sensibilidade ao que esta acontecendo e aos imprevistos da natureza são mais importantes.

E qual é a sua opinião sobre o uso da tecnologia no triathlon?

Fernanda: Eu sou a favor e uso a tecnologia, mas acredito que as pessoas precisam se conectar primeiro com o seu próprio feeling. Usar o computador a seu favor, e não ser escravo da máquina. Algumas pessoas estão se deixando ser dominadas pela tecnologia e elas esquecem de escutar os próprios sentimentos.
Antigamente os grandes treinadores treinavam os atletas para eles se conectarem com o feeling de distância, de velocidade, de esforço entre mente e corpo. A tecnologia é legal para a gente ter uma noção, mas a conexão com a nossa sensibilidade ao que esta acontecendo e aos imprevistos da natureza são mais importantes.
Por outro lado, quando eu comecei o triathlon não tinha bicicleta aerodinâmica, uniforme com tecido tão leve e confortável, tênis com um amortecimento maravilhoso, capacete com ótima proteção, bebidas de hidratação que ajudam na recuperação. Toda essa tecnologia eu acho ótimo!

 Então várias mulheres que são heroínas, que vieram na minha frente, elas abriram uma trilha para que eu trilhasse. Eu admiro essas guerreiras, essas grandes heroínas, que eram atletas de uma geração em que não era bonito ser atleta.

Quem são os seus heróis?

Fernanda: Minha mãe e meu pai, são os meus heróis. Agora, no esporte os meus heróis são os atletas brasileiros, em geral. Porque para ser atleta no Brasil, e ser campeão, você tem que batalhar demais! No Brasil, você só recebe apoio quando já está ganhando. Veja as histórias dos atletas brasileiros campeões, Joaquim Cruz, o Guga…
A mãe do Guga levava um monte de não, só depois que ele começou a ganhar, ele passou a receber apoio.
E as mulheres então, mais difícil ainda! A corredora de atletismo, Aida dos Santos, correu numa época que o pai dela batia nela, e não deixava ela correr. A Maria Lenk, que nadava sozinha no mar até noventa anos. Ela foi a pioneira, foi para as olimpíadas de navio, é uma história linda, sabe? Então várias mulheres que são heroínas, que vieram na minha frente, elas abriram uma trilha para que eu trilhasse. Eu admiro essas guerreiras, essas grandes heroínas, que eram atletas de uma geração em que não era bonito ser atleta.

Ter saúde e educação para todos os jovens, principalmente educação de altíssimo nível, com esporte nas universidades e nas escolas.

Se tivesse uma coisa no Brasil que você pudesse mudar para sempre, qual seria?

Fernanda: Ter saúde e educação para todos os jovens, principalmente educação de altíssimo nível, com esporte nas universidades e nas escolas. Que as melhores escolas fossem as escolas públicas, não pagas, que todo mundo pudesse frequentar a mesma escola, independente da classe social, financeira, e que todo mundo tivesse a mesma oportunidade. Acho que mudaria completamente o nosso país. Acho que o nosso país é um país de gente muito boa, muito alegre, muito positiva, mas muito desinformada, com muito pouco acesso às coisas e poucas oportunidades. As pessoas acham que uma comunidade é formada por traficantes e bandidos,  mas a comunidade é formada de gente muito boa, que está pedindo pelo “Amor de Deus!” uma chance. Quando eles têm essa chance eles a agarram com unhas e dentes, e muitos dos maiores talentos do Brasil, na música, na arte, em todos os setores vieram dessas classes.

Quando eu tenho a oportunidade de compartilhar, a minha vida ganha um sentido maior.

O triathlon é um esporte muito elitizado no Brasil, mas o Instituto Fernanda Keller está gerando oportunidades para os jovens de baixa renda e com poucas oportunidades. Quais são os desafios?

Fernanda: Eu sei que o meu esporte é limitado, não é como o futebol. A minha mãe que é a minha grande incentivadora, que leva o meu instituto quando eu não estou lá, que está sempre a frente de tudo, fala “Fernanda, como é que você foi inventar uma coisa dessa, isso é para jogador de futebol que ganha milhōes”. Para mim a ação social é diferente de caridade. A ação social é uma parceria que você faz com pessoas e elas tem que acreditar e lutar pelo ideal delas para que eu possa ajudar. Você não pode ajudar uma pessoa que não está querendo ser ajudada e muito importante é que você não pode ajudar do seu jeito, você tem que entender as pessoas primeiro. Quando eu tenho a oportunidade de compartilhar, a minha vida ganha um sentido maior. Cada criança que eu vejo formada na universidade através do nosso projeto eu penso “Nossa! A minha árvore deu frutos e desses frutos já tem outras sementes dando outras árvores com outros frutos.”

Qual é o seu próximo big dream?

Fernanda: Eu sou muito supersticiosa. Eu não falo os meus sonhos específicos. Eu tenho vários ( rs, rs). Mas eu jamais os conto. Eu acredito que o sonho é um pouco da sua mana (espírito em Havaiano), e você guarda dentro de você. Então eu só peço a Deus saúde e proteção prá continuar realizando os meus sonhos. Mas eles, eu jamais os revê-lo.

Obrigada Fernanda! Até a nosso próxima aventura!

alguns sonhos valem a pena compartilhar…

Mariane

mais sobre Fernanda: fernandakeller.com
Instiuto Fernanda Keller: institutofernandakeller.com.br

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply